segunda-feira, 28 de julho de 2008

voce ainda vai lembrar de mim...

Me sinto medieval. Trovadorismo se torna aventura."Ele sempre está longe, ó tão bela rosa... Onde estará meu amado ?" Passado nem me interessa mais. Quero inventar o meu trovadorismo !As Palavras viram granulado. Bolos e brigadeiros correm soltas entre as folhas pautadas da minha vida. Minha respiração muda. Meus pêlos se alegram, teus olhos tímidos enlouqeecem minhas pernas, bambas de tanto esperar .Derrepente me dá uma vontade louca de saiir por aí, beijar o mendigo, dizer bom dia pras árvores abandonadas do parqee, pegar o ônibus errado, caminhar pela estrada sem direção, sentir o vento bater na calcinha, pular na tampa do vazo sanitário do shopping, vontade de esqeecer qee um dia senti teus lábios nos meus... pois quanto mais penso neles, mais me dá vontade de fazer de novo. Só qee agora com mais emoção, fazer isso no elevador, no capô do carro, em cima do telhado, no banheiro do avião, e gritar bem alto qee voce é o cara mais facinante qee conheci... SONHAR NÃO PAGA NADA. Vamos apenas nos cumprimentar pelas mão. Beijar tua face como velhos amigos de infância. Gritar, pular, correr, cantar como simples amigos, pois só assimm terei voce em meus braços. Ainda hei de fazer uma canção, e com ela viver o mais louco momento. Pessoas de cabeças lavadas cantarão minhas palavras no chuveiro. Aí qeem sabe, se o mundo todo pedir o mesmo qee eu, vocee se comove com o meu refrão mau feito. Voce ainda vai lembrar de mim...

Minha paixão por olhares...

...Caminho nas ruas, cinzas, rudes,qee me recebem de cara virada pra ver se me conforto. mas ainda consigo enxergar os olhos de cada pedestre apressado qee caminha em direção oposta. cada olhar me conta uma história; me sento á calçada, cheia de água nos olhos.alguns retribuem os olhares, com sorrisos pintados de rosa. ao fundo, crianças cantando roda, com seus olhares melancólicos, destraidos pela falça ilusão de serem felizes. na mente, a música tema não para de repetir o mesmo trecho. moças com suas bolças enormes e suas pernas incansáveis, ainda exalam seu doce perfume. senhores, com suas expreções antigas e sofridas nos causam um aperto no coração. mães, pais, filhos, na calçada, dormem um sono perturbante, com a esperança de qee algo mude. é, a realidade as vezes é cruel...mas graças a ela, existe a vida, e a vontade de fazer melhor... assim, ainda podemos salvar algumas almas inocentes e infantiís. qeem sabe elas não amadurecem e viram grandes poetas...

.falando nisso.


O amor é filme. Canção... que só se estraga quando não se usa. Você se enjoou do meu refrão e não me ouviu mais. Não é pra menos... eu sou bossa nova, e você ? AH ! você é roquenrou ! Realejo agora é lembrança, somente. Dois pra lá, dois pra cá. Se enjoou também. Prefere uma salsa, pra dançar com tua amada. Falso brilhante é passado. Você prefere uma esmeralda trabalhada. whisky com guaraná. hoje você só bebe vinho do porto, e olhe lá... Torturante bandaid, você nem repara mais. Marcianos ? tua praia são os lunáticos... Depois da casa no campo, tu nem voltou mais pro meu jardim. o silêncio das línguas cansadas tomou conta de você...águas de março... se esqueceu de mim... se importou mais com as que fecham o verão. A luz dos olhos teu se apagaram. não vejo mais... pra onde foram ? medo de se casar ?? Ah, meu caro amigo, a Geni não vai estar lá por muito tempo. aproveitemos pra jogar bosta nela ! teu partido é alto. só fico na minha, O que será ? fiz algo de errado ?Já sei. preferes Beatriz, não é ? Ou então Luiza ?Yolanda?Lígia? Cecília ??Joana ?Teresinha ?Ou Carolina, com seus olhos fundos...? Já sei o que fiz de errado. Coloquei açúcar de mais. Ou afeto demais ? o.õ mas tudo bem... Deus que lhe pague, pois eu... NEM MORTA LHE PAGO ! éramos João e Maria. o que houve ? mas tudo bem... a Lua tá cheia e a conversa é sem compromisso. a tristeza toma conta, mas eu ainda hei de melhorar... meu coração em construção. Atravessei a rua com meu passo tímido...vai passar...minha tolerância contigo já é zero. As ruas de outono param pra te ver passar. Mas nada me faltará. Teu cristo de madeira nunca diz nada ? Aqui. É o único lugar em que te espero. O edifício, no meio do mundo, onde só nós dois sabemos a lugar e a hora. ah, é assim ? então ta ! eu fico aqui com a nega. A marrenta, mas amiga. Pelo menos, ela me lava prum cantinho. Coisa que VOCÊ não faz ! pelo menos eu posso comer a Madona em paz. ¬¬’’ o teu é BMW ? o meu é Chevett e eu vou quitar esse ano ! num me enche que eu to implicante... pelo menos sou gente humilde... fico assim sem você : DESCONTROLADAMENTE DESCONTROLADA !

dúvidas, abstratos.


"filmes voam pela cidade, fitas coloridas cobrem meus olhos, me trazem uma sensação de prazer. vontade de voar bem alto, onde nada nem ninguém se importa com suas meias. o vento faz música enquanto meus cabelos dançam alegremente. as pessoas, com seus olhos cruéis, se tornam moedas. arco-íris , um escorregador, passagem pro paraíso, onde é voce qeem faz a sua felicidade. o som das cordas me fazem adormecer. cores e mais cores. parece tudo tão perfeito, tudo tão bonito. mas o qee faz o bonito ser bonito ? o qee faz o feio ser feio. meus pés riem, minhas mãos choram. meus olhos se fecham. o sol me toca a face. era apenas um sonho. um sonho onde tudo era como EU qeeria. como nunca vai ser. pois voce nunca estará ao meu lado..."

domingo, 27 de julho de 2008

AQUELE cara...

Dessa vez, foi a gota d’água ! Nessa você exagerou. Jogou na cara. E ainda me diz que não tem culpa. Eu, querendo me enforcar com o cordão da privada e você me vêm com histórias de Seleções. HAHA, me faça rir ! Leio tuas palavras , com ALQUELE medo. Será que você sabe ? O teclado me confunde, o mouse fica pesado, a música das caixas de som parecem estar diminuindo o volume. E AQUELA vontade de ir no banheiro. E agora ? Ah, você vai ter que esperar ! Gravei AQUELA música pra te fazer sentir culpado. Como se adiantasse. Você continua o mesmo. Com o mesmo sorriso falso , o teu franzir de testa suave e a tua voz grave e macia. Ai me dá AQUELA vontade de levar prum cantinho ! não... não posso ! tenho que me controlar ; e você ? faz o que mesmo ? ah, lembrei. Você continua me fazendo pisar em merda de cachorro na calçada, com teu olhar cativante e tuas mãos suadas de pouco se importar... mas ainda hei de levar pra algum lugar, baby... e ter AQUEELA noite. Me aguarde.

AQUEELE beijo...

. Sonhando contigo outra vez.





Estás tão longe. Minha vontade cresce a cada instante; tirar cada peça de roupa como um peso meu. Tirar as suas mágoas, junto das meias, pés, pernas. Senti-la vibrar a cada movimento nosso, a cada cochicho meu. Bebendo-te com vinho, devorando-te com maçãs, ardendo-te com o fogo que sai das velas do jantar. Como nós, existem poucos, que amam seres humanos, independente do seu sexo, cor, nome, fala. Juntando-se a mim, nada mais importa. Somente teus lábios carnudos, cheios de vícios, tuas coxas fartas de vida, suas costas largas de arrepios. Entrelaça as pernas no meu corpo, como cordas feitas de desejo, morda-me o pescoço com vontade, segura-me com força, pra ter a certeza de que estou viva. Tua respiração ofegante excita-me ainda mais, gemidos tímidos, os lençóis cobrem minhas dores do passado, vidas se tornam uma só num momento como esse. Minhas mãos percorrem teu corpo num desejo exuberante, tua voz pedindo-me pra ficar, mas a manhã me aguarda. Acordo sozinha em minhas paredes caladas. Sonhando contigo outra vez.

por tua causa...

papéis sobrevoam o chão. copos d'água lotam a mesa, toalhas coloridas, estampadas, iluminam nossos olhos, aqeele cheiro de outono qee nos invade a todo momento. saudade de costumes antigos, amigos antigos, parentes antigos, sentimentos antigos. sensação de paz, tranqüilidade, vooz suave, macia, faz com qee eu me acalme. teus pensamentos me inspiram, sonhos passam como longa metragem em minha mente, embalagens de balas, chocolates em barra, açucar em cubinhos, lâmpadas coloridas, silêncio se qeebra com música calma, suave. palavras cantam palavras, notas repoduzem notas. qero me sentar á mesa, escrever quilos e quilos de papel, qero amar cada vez mais os sentimentos. qeero viver.sentir o sangue correr em minhas mãos, e responderem minha grande dúvida: ainda vivo sem tua presença ?