quarta-feira, 27 de maio de 2009

Quarta-feira.

...mas então, porque seria assim, tão incômoda. A quarta-feira não é nem começo nem fim; nem cansada nem disposta. É algo que não está no meio, mesmo que esteja, com toda a veracidade do mundo... ela ainda me causa uma grande incógnita, um grande desejo de descobrí-la de uma vez. De bebê-la como se bebe a lata de Coca-Cola num dia ensolarado. Algo que não se discute mas que mesmo assim, ainda insisto em desconsertar de remontar, como se fosse relógio. E ela é, como qualquer outro dia, um dia... mas com uma cor diferente. Com horas diferentes; a quarta-feira é o começo e o fim. A quarta-feira é algo indescobrível. Se cobre com o cobertor vermelho e preto que se guarda em cima do armário por uns bons anos. Tem um cheiro de passado, de saudade. Nem sei se ela merece toda essa trama, essa filosofia; mesmo assim me intriga, me mantém aqui, falando como quem nunca falou antes.
São meus olhos que se cansam de lê-la. Quarta-feira, quarta-feira, quarta-feira, quarta-feira. é a Quarta, ams na verdade a terceira. Pra ninguém que viva uma vida como a minha acredita que o Domingo é o começo... continua.

Um comentário:

Daniela Sampaio, prazer! disse...

Não sei o que falar.

Alguém especial acaba de escrever algo lindo de mim, e, pela primeira vez... não sei o que falar.