sábado, 11 de julho de 2009

Elis

As palavras não vem mais à mim... e faz tanto tempo.
É como se você tivesse morrido em mim. Morrido em meus braços
; não me comovo com a morte. A culpa deve ser do tempo, ou da alma.
Eu sei que nada vai embora.
Mas você ? Não podia ter me deixado aqui, morta. Você era minha vida.
Você sabe como sou egoísta; nada mais aqui é vivo... nem eu sou.
E cantar, chorando não é pra qualquer um.
Eu nunca lhe vi, nunca toquei-lhe os lábios, os dedos. Você morreu e eu já estava morta; mesmo antes de vir pra cá.
Eu te amei como te amo hoje, como te amo há tempos.

Um comentário:

Erica disse...

MARAVILHOSO, gata!