sábado, 15 de agosto de 2009

Expedição Imaginária (258 Dias de Solidão)

"Senti o vento tocar minha face
como se não bastasse ao longe
ouvi o silêncio sereno de um monge
Veio o cansaço e é como se me tragasse

Senti-me sozinho, na rua deserta
confetes pretos e brancos em cima de mim
colombinas, pierrôs e tristes arlequins
Me abriam para uma grande descoberta

O calendario já marcava quarta-feira
a terra ainda girava devagar
o céu limpo se fez cinza e pos-se a fechar
Me bateu a sensação de atitudes de besteira

Durante sete dias diverti-me
tantas moças conheci, loiras e belas
morenas que faziam do mundo sua passarela
E no final, sozinho em uma esteira de vime

A vida reclama minha volta desta inconsciente expedição
passaram milhares de pessoas e eu só
e o fato de estar ali não me deixava melhor
Pois ainda me restavam 258 dias de solidão"

Jonathan Mello

Um incrível poeta... gosto de chamar esse poema de "Melancolia de Carnaval".
Somos parecidos, somos amantes do mesmo céu;

Um comentário:

Jonathan disse...

Bruna Moraes

"Minha pequena notável, alegre, às vezes triste.
Porém, uma grandeza infinita que não existe.
Talento único, valor inestimável
sempre fugindo do maior medo,
abominável.
Te esquecer..."


Jonathan Mello te deseja toda felicidade, sucesso e que Deus te abençoe. Beijo