sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Rotina

Mas como você me persegue.
como me incomoda, correr aqui, sozinha... atrás de um cão, uma folha, uma chave; e eu nem sei se existe.
E aí, a gente cansa e aguarda...
aguarda...
aguarda...
e aguarda...

Mas e essa angústia ? De onde sái ?
Você a manda, por Sedex ou coisa assim ?
Ela bate à porta, surpreende com o rosto cheio de lágrimas e eu a acudo. Traiçoeira... me invade e só vai dormir quando durmo.
A incerteza me atinge à tapas... e ela dorme em mim, quando quer.
Me encontro aos beijos, traíndo a mim mesma. Sou fiel, sempre fui; tudo o que me aflinge, atinge... eu acabo amando. Me caso, tenho filhos. Uma vida em cada sentimento, em casa derrota. Em todo amor, e suas lágrimas. Como se a tristeza e a aflição fossem meus grandes aliados... mas me preenchem. Prefiro a morte ao vazio.

Um comentário:

Genyedi Soares disse...

amiga, tô vivendo isso esse dias