sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Nuvem

O seu cheiro na minha carne...
Como é grande.
De longe, és menor,
Mas de perto,
És uma nuvem.
É belo, a escala de cinza
No enorme azul.
O movimento das palavras
Parece céu;
Muito claro
Nosso amor inventado...
Remoer as frases soltas
No sofá vermelho.
A clave de sol na janela.
A sinfonia da chuva,
A orquestra da rua
E seus carros, suas ondas.
E você, o maestro majestoso.
Detalhar seu rosto, seus ossos.
Nosso horror, nossos risos.
És uma fonte infinita.
Uma nuvem.

4 comentários:

aline disse...

aa Bru nao tem nem o que comentar neh. você sempre me deixa sem palavras.

Lindo, lindo, lindo ;D

beeijo ;*

Marcos VIP disse...

Poetisa e cantora ... que beleza
a arte corre em suas veias ...
continue no caminho ... da perfeição!

Nem parece que te vi um toquinho de gente no colo da sua vovó ...

Beijos

lili disse...

Pra bom entendedor um pingo é letra! kkkk
ADORO OLHAR AS NUVENS...
Beijo Bruna

gutipoetry disse...

Ah! Bruna essa Nuvem é um prenúncio a mais da tempestade da sua precoce maturidade. Eu que viajo há pouco tempo sobre o seu céu fantástico já experimentei as melhores turbulências!
Aproveitando o espaço a foto ilustrativa do seu blog é maravilhosa, digna de uma cantora original. Um retrato em branco e preto que desperta os ouvidos de um arco-íris!