sábado, 26 de dezembro de 2009

previsto

" A paixão é um mar, parabólica dilatada, estrada que dói..."
E caminhar, lentamente à um fim infinito, um infinito que se chega ao fim. A espera se faz num fim que se previne e se prevê. Mas é incerto;
Eu só mastigo... nunca engoli. Muito menos digeri.
E agora que é certo, isso tudo não me fere mais.
Não faz mais o mesmo som...
Só resta o silêncio.

Nenhum comentário: