quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

véspera da véspera

com os olhos cheios d'água, lhe deixo partir.
com os braços gelados da tua ausência
sento-me na saudade
e lavo os pés,
pra poder dormir
sem o vestido que, em mim,
raspou em teu corpo...
e dançou a dança sem música
dos nossos pés.
olho meus olhos nos teus,
e nos meus, os teus.
nos nossos, o infinito refletido.

Um comentário:

Rafaela F. Kohler disse...

bruna moraes
“moras” na paisagem do sentimento, a poesia
e na “bruma” da teia de sons e silêncios, a música

inclassificável, indizível, incrível

torço pra que tua arte encontre o mundo
e o mundo a tua arte