segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

céu, cama, carro.

Você viu? Quanto céu na estrada.
Quantas mãos no banco.
Quantas pernas no chão
No colchão...
Comi todo seu cheiro.
Bebi toda a piscina;
Guardei saliva
Pra tocar na boca
Que jamais toquei.
Chorei doce
Quando no cavalo branco
Que sentado, corria
Sorrindo, como um rei
Um Dom VI.
Como são belos seus olhos
No meus.
Dançar no silêncio...
Nem precisa da banda.
Ela quase nem existe, lá
Quando nossos corpos se encontram.
Minh'alma arranha a tua
No encontro longo
Dos colos,
Queimando.
Sede de você
Nas pernas,
Nas costas.
A barba roçando
Lentamente.
Que belo fim
Do começo,
Que se faz inteiramente
Metade.

4 comentários:

Helena de Tróia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Helena de Tróia disse...

Menina, vc tem quantos anos?
Nem parece ter apenas 14... Escreve muito bem! Parabéns pelo blog, adorei os textos que li. Aqui fica meu convite à visita no meu: DIÁRIO DE TRÓIA, espero que goste.
Abraços Poéticos.

Amanda Cecilia disse...

Gosto da poesia contida no que escreve. Sua alma é mais que o sorriso de menina e é tudo isto também...
Gosto deste jeito! Continue girando faceira na roda da vida!
Um abraço e um beijo cruzado de esqueda na bochecha!

gutipoetry disse...

Ah! você está escrevendo como se estivesse cantando, fluí naturalmente.A sequencia das palavras, os cortes nas frases, as pausas subliminares, os encaixes verbais...você vai longe Nru...natural é o destino de uma estrela!