quinta-feira, 29 de abril de 2010

libertango

essas melodias
me atiçam
os extintos
os póros
me comem viva
assim, longe do seus olhos oblícuos
e eu me mastigo toda
te dou o trabalho
apenas de engolir-me.
as sílabas dos seus bordões
os bordões dos dedos
na face
na calada
fria
boca
da noite
que me faço.

Nenhum comentário: