quinta-feira, 26 de agosto de 2010

fora de hora

desejo o fim do começo
e a falta que despedaça,
desejo que se vá...
pare de doer feito
pés no Sol.
eu quero-me dentro
de mim
quero ir pra casa
não quero mais o viaduto que
vibra, balança.
o caos pousado em meu braço
eu quero ficar pra dentro
sob o mar
"a dor de ser mulher"
não quero mais o porto
não quero mais o beijo
partido
eu não mereço
desejo a manhã sadia
os pés na terra
quero paz
mesmo que seja sem você.

2 comentários:

- Suburbano Coração disse...

E lá vai ela caminhando, toda vestida de sol, levando nos pés o chão de estrelas da manhã, estrelas lírias que se chamam 'amor'... Alguém ainda lamentará.

Fez-se escuridão lá antes, (naquele dia que agora é passado) - Lá onde o tempo nunca quis deixar de ser agora, lá onde ela sabe bem, mas parte sem querer ir.

E lá vai ela lamentando levar o hoje nas mãos "e Deus é quem sabe de ti..." (beijo partido - Toninho horta)

... "Onde estará a rainha que a lucidez escondeu?"

Amanda Cecilia disse...

é... os sentimentos tem um "q" de amargura...mas é bonito. É o tipo de dor que se a gente não tem, pede pra ter... é gostoso sofrer quando se tem alma poeta. Bruna, sou sua fã, vc sabe...saudade!