sexta-feira, 20 de agosto de 2010

in tango

minha poesia
adormeceu
nos braços dele
adormeceu em minh'alma
calada, vadia
meus lamentos
não existem de fato
eu já chorei tantos mares
árvore de outono
cadáver
eu quero ver outra vez
o rosto de sua alma
óh poeta.
mas pedra jamais serei
assim como ele
e seus botões de ouro
seus olhos profundos
quantos vazios
para a minha coleção
quanta solidão na moldura
a sala de minh'alma
não tem lareira.
eu ainda não sei
mas acho que
te quero de volta.

Um comentário:

BrunaCardoso disse...

irá ter de volta basta se gostar mais e pensar mais em você e menos no sofrer meu amor ... ♥