domingo, 21 de novembro de 2010

bem verde

vejo de perto
ter cor de
chuva
de vento

quem não vê
não tem olho de dentro
não vê no teu corpo
o circo
que acende

longe do meu corpo
a cor do teu cheiro verde

sei lá quando será
que meu bem vem
sei lá quando será
que meu bem vem