sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

estação

eu vi no futuro nosso
outros mares e campos
camponeses sorrindo
e contrários homens como você
a vida fora do vidro, do outro lado do muro negro
fora da cinzenta cidade que só via.
sorria
o copo meio cheio
a noite começa
está tudo aqui,
quem sabe
futuro
belo futuro...
cativa-me.
livrar-me-ei deste pobre sentimento
e serei vazia
pra entrares.
volte,
pois eu venho logo.

Nenhum comentário: