domingo, 14 de agosto de 2011

A

Eu o desejo
com seus olhos, que os passava
rapidamente,
de quando em vezes...
Ah! Como balança minha alma!
És maré dentro da casa da alma.
O necessário afago em mim.
Careço desses olhos,
destas mãos que há tempos desejo...
sem falar do som que fazem.
Desejo teu timbre, teu ser, com fome,
cravados em minha pele,
teu cheiro tatuado em meus pulmões.
Desejo tuas cores
           teus pelos
            teus olhos
            teus dedos
Te sinto cada vez mais
próximo do sentimento.
A tua duração
em mim eu imploro!
Seja aqui, ao lado.
Sejamos.

Nenhum comentário: