quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Nostálgico Poema de Outubro

Eu tive em mãos
a nostalgia.
Confesso que boa não foi.
Mas foi real!
Meu amor...
Minh'alma anda contente
meio calada de poesia
Mas vive real.
O real amor inspira
Mesmo que sozinho.
O carinho que faz
dentro de mim
Excita e acende
O que morava antes, desde
sempre.
Nas minhas salas
Há uma cama que nos descansa
e aquece.
Um espelho que perdoa
e demonstra.
É tudo claro.
Tudo real.
Ando tão feliz.
Me tornei mulher de marinheiro.
O amor no aquário,
o maior dos aquários.
Quiçá, dentro de ti
possam morar meus peixes.
Eu amo meu homem
como amor
MARÍTIMO.
LEGÍTIMO...
dessa vez
com veracidade recíproca.