sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

meus 16

ainda não li tudo o que queria ler, não sou a rainha das palavras
e tudo o que eu li, gostaria de esquecer
pra ter o prazer de ler outra vez.
também ainda não ouvi tudo o que queria ouvir...
queria poder esquecer Jobim e ouvir tudo outra vez.
apesar de me sentir muito velha,
sou profundamente infantil.
apesar de saber demais
sofro em mesmo tamanho por saber...
eu era tudo o que não achava que seria.
sou o que sempre quis ser.
ah, a solidão... me apavora todos os dias.
tenho pressa mas não quero crescer.
tenho medo mas quero morrer, pra saber o que tem lá.
eu tenho poesia jorrando pelos dedos,
mas ela some quando tento escrevê-la.
eu vivo mas morro todos os dias.
eu acordo e sonho o que quiser.
eu sou uma mentira verídica.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Prece ao Amor


Deu-se o encontro e eu quis duvidar que foi pela urgência de a gente se achar.
Teu olhar veio elíptico, e ao mesmo tempo nítido, me fez hesitar. 
Veio feito a luz no escuro de uma noite por raiar, cintilando numa estrela, sorrateira, dizendo ser derradeira, a me encantar.
O que de mal lhe for feito caberá a mim em perfeito dom de repudiar, e afastar tudo o que possa, mesmo vindo do fraco, te atravancar. 
Que os meus castos braços possam ser a firmeza que te dará a certeza de sempre vencer, tornando-te mais do que invencível. 
Que as minhas forças se unam às tuas, fazendo à nossa volta um escudo brilhante, como os meus olhos quando miram os teus, para que nada de fora nos alcance diante da delicadeza do que for só nosso. 
Que seu vasto abraço permaneça quente a me envolver a cada fim de dia que possamos dividir, e diante do nosso sossego, que o mais puro fogo invada o quarto e nos faça queimar em devoção, até que nosso descanso se derrame, placidamente, feito chuva de verão em nosso leito. 
Que não deixemos de ter asas, que não deixemos de voar livremente, e que rasguemos os quatro ventos, mas que voemos para o mesmo destino, sendo nosso canto em alegria, trilha sonora dessa vida, e que na vida eu te dê sorte.
Que saudemos a Lua e o Sol, que sejamos nosso impulso, nosso ímpeto, e nossos princípios. 
Que não tenhamos medo de perecer, para que a intensidade da entrega se embrenhe em nossos dias. 


Que sejamos água e sal, para juntas formarmos um oceano. 
Que sejamos duas, para juntas formarmos nós. 




Julia Skinovsky

C8H10N4O2




Ele não me quis.
Eu fiquei desejando a noite toda.
Me lembrei dos beijos passados -
a força, o gosto, o cheiro, a cor.
Ainda posso sentir a vibração estranha de agosto, dezembros, janeiros.
Daria quase tudo por um
punhado de horas em sua cama densa,
para provar mais fundo seu cheiro, sua saliva doce.
És o ceifador da minha solidão...

O corpo que mais almejo.
E juro que faria tudo com amor.

poesia antropofágica

eu passo os dias
                     só.

sentindo saudade
ANÔNIMA

pensando na solidão
ANTROPOFÁGICA

sentido fome de
AMOR

implorando
AFAGOS
ANÔNIMOS
ANTROPOFÁGICOS.

a poesia voltou, porque estou
AMANDO.

outra vez, os homens.

M. Alm

Ele disse que me deu um beijo macio.
Só disse.
E eu fiquei sentido,
sentido...
Senti.
Disse que foi sutil,
tão delicado que quase não
deu pra sentir o tal ato.
Disse que foi um beijo em meu corpo.
INTEIRO!
Imagina só!
E disse depois que me deu um beijo singelo
E que viria afagar-me
pelas grades da janela de casa.
E eu só fiquei sentido, sentido.