segunda-feira, 16 de abril de 2012

Gbrl

As ruas,
as veias políticas da Terra.
Os olhos do céu
vigiam meus desejos,
os mais obscuros.
Os olhos dele são mais.
Vigiam meu corpo
           por fora.
E o sangue mecânico
do grande fígado "São Paulo".
Me castiga, contamina.
Ele me distrai
           destrói
           perfura.

Nenhum comentário: