sexta-feira, 10 de agosto de 2012

uma mulher que devora



danço com a impossibilidade
de desfazer-me do teu charme
e me divirto
condicionado que estou
ao capricho de
furtivamente
vir
vez ou outra
espiar
estático a estática estética
fotografada, capturada
do quinhão do pouco de ti
isso que aparece é farsa
se vero fosse
esparramaria pra fora da tela
a enormidade
da dificuldade que é
tentar racionalizar através de versos
Você
Bruna
 
por Vitor Coimbra