domingo, 30 de setembro de 2012

Fome II

Eu sinto no corpo
Todo dia
A vontade profunda de
Saciar a sede.
Meu corpo procura a calma
Póstuma do prazer.
O corpo é o espelho da alma.
Ela clama, em chamas
A cama e o homem
Pouca luz
E os sons, que traduzem a fome..
Sei que ele vaga, em algum lugar da cidade
Sei também que ele possui
A arte de excitar a alma.

Encontrarei
e o amor virá.

Minh'alma precisa sentir-se
ACALANTADA.

2 comentários:

Anônimo disse...

Eu sou o primeiro a comentar!
Curti!
Legal que eu curto como anômino, só pra te deixar curiosa.

Bruna Moraes disse...

Ah, não! Agora me conta quem é, poxa vida.