quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Leblon

"acho que sabe, sim..."
quantas vezes caminhei meus olhos
pelos fios
pelos lábios
e pousei nos olhos dele,
pra ver de perto, o sábio castanho?
talvez duvide, assim como eu.

o cheiro da maresia, do cigarro
a pele. uma coisa só.

num delírio
pensei no amor
assim
depressa,
quase sem pudor.

vi a noite morrer em nossos braços
a poesia nascer, na presença.

as ruas do Leblon,
a praia
a força que tinham suas palavras,
tatuadas em minh'alma
até o fim dos tempos do amor.


sábado, 6 de outubro de 2012

notívaga

finalmente olhei a noite... e ela me olhou. não precisei fugi-la.  
me beijou, e está partindo. 
e eu também.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

marinheiro

eu chorei baixinho
sozinha
pra ninguém ver...
chorei de saudade.
um choro bom, que limpa a alma
e adormece a dor.
por alguns instantes pensei em falar-lhe das ondas que atingem
a praia
dos dias longos que são, esperando, ao cais,
sua chegada.
pensei em molhar seu corpo
e sentir o cheiro.
mamãe yemanjá vai buscar, em breve
meu amado

me pego no mar
no delírio da brisa
e do toque infindável da
tua presença