segunda-feira, 7 de outubro de 2013

fênix

tô olhando por baixo,
pra ver se cai a gota.
aquela que transborda sem piedade
limpa a boca.
depois da morte
a lápide do velho
e a certidão do novo.

venho implorar teu carinho,
poesia.
venha, vento,
soprar minhas velas.

a vida me deu um tiro
no pé
e eu me apunhalei pelas costas

socorra-me, poesia!
deixa ver meu reflexo
e estancar.

quanto mais eu olho
mais eu arranco um pedaço
seu
em mim, cheio de veias e sangue.
deixei pra morrer

pra viver.

Um comentário:

Natália Onori disse...

Olhando para sua Fênix lembrei-me da minha...
http://ocangote.blogspot.com.br/2013/09/fenix.html
Me faria feliz receber um cheiro seu no meu cangote quando quiser rs. Beijos